Aurora Boreal na Islândia

Após um longo período sem abrir as fronteiras e agora com a Covid-19 sob controle no país, a Islândia começa a receber turistas em busca da Aurora Boreal. Desde março a ilha registrou apenas 5 mil casos e 25 mortos, um case referência para outros países e que traz segurança para os visitantes.

Para entrar no país é preciso que o Certificado Internacional de Vacinação comprove que o viajante foi vacinado com as doses preconizadas pela Organização Mundial de Saúde. Também é preciso ter comprovação dos voos de ida e volta, passaporte válido por pelo menos seis meses e comprovante de renda suficiente para o período de estadia.

Os brasileiros são fiéis consumidores de viagens em busca da Aurora Boreal e a agência especializada neste tipo de turismo, comemora esse novo momento. “Estamos com expedições abertas para ver a Aurora Boreal na Islândia e com alta procura. Já temos viagens programadas até dezembro. O brasileiro gosta de turismo de aventura, principalmente o público feminino. Acreditamos que com o avanço da vacinação o turismo no geral vai retomar com força total”, conta Marco Brotto, conhecido como O Caçador de Aurora Boreal e CEO da agência.

Mais informações sobre as viagens em busca da Aurora Boreal podem ser encontradas em auroraboreal.com.br

O que é a Aurora Boreal? 

A Aurora Boreal é um fenômeno ótico, mais comumente presenciado nas regiões polares durante o céu noturno. Existem dois tipos de auroras, a aurora boreal e a aurora austral.

A única diferença entre elas, é que uma está localizada no Círculo Polar Ártico, e a outra no Círculo Polar Antártico. Como o Círculo Polar Ártico é mais habitado, ouvimos falar muito mais da aurora boreal.

A Aurora Boreal é um fenômenos da natureza que se origina a partir da força dos ventos solares em contato com o campo magnético terrestre. Sabe-se que são as subtempestades magnéticas que originam essa beleza nos céus.

É o movimento dos elétrons do plasma vindos da fusão nuclear do coração do nosso Sol, que se chocam com o escudo magnético da Terra. Esse choque chega nos átomos e moléculas atmosféricas. 

Quando isso acontece, é possível ver a fantástica dança de luzes brilhantes no céu, com formatos que se alteram, como círculos, arcos e cortinas em sentido horizontal.

A aurora boreal combina com noites longas e escuras, mas é possível observar o fenômeno desde o entardecer.

Em realidade, as auroras acontecem durante o ano inteiro, mas nem sempre é possível observá-las, e isso porque as suas luzes são por volta de 1 milhão de vezes menos brilhosas do que o Sol.

 Ou seja, quando é dia, elas ficam impossíveis de serem vistas. Inclusive, no auge do verão, próximo ao Polo Norte, o sol quase não se põe.  

Sendo assim, o melhor momento para observar as auroras são no inverno das regiões polares, quando os dias são mais curtos, e as noites são mais longas. 

No Hemisfério Norte esse período vai entre o final de setembro até meados de março. Devido ao campo magnético terrestre, as auroras são vistas nas regiões polares.

Deixe uma resposta