Covid-19: segunda onda na Europa traz ‘preocupação muito grande’ à OMS

0

Países europeus começaram a fechar escolas e cancelar cirurgias, indo muito além das restrições à vida social agora que autoridades sobrecarregadas enfrentam o pesadelo de um ressurgimento da covid-19 às vésperas da chegada do inverno. A maioria das nações da Europa amenizou seus lockdowns durante o verão para começar a reativar as economias já a caminho de retrações e cortes de empregos inéditos resultantes da primeira onda da pandemia

Mas a volta das atividades normais — de restaurantes cheios a novos semestres nas universidades — desencadeou um pico acelerado de casos em todo o continente

Na terça-feira (13), a Organização Mundial da Saúde (OMS) informou que mais de 700 mil novos casos foram notificados na última semana na Europa. É uma alta de 34% em relação à semana anterior.

O número de novos casos é, em parte, decorrente de mais testes. Mas também houve aumento de mortes, ainda que em uma proporção menor, de 16%.

Após identificarem alta de casos, as novas regras estão sendo anunciadas por autoridades para tentar evitar que o número de mortes cresça e atinja números do começo da pandemia.

Os médicos alertam que muitas das novas infecções são em jovens, que têm sintomas mais leves da Covid-19. O maior problema, no entanto, é que eles podem transmitir o coronavírus aos mais velhos.

A evolução da pandemia de Covid-19 na Europa é “muito preocupante”, mas a situação não é tão grave como a registrada há alguns meses, advertiu nesta quinta-feira a Organização Mundial da Saúde (OMS).

“A evolução da situação epidemiológica na Europa provoca grande preocupação. O número de casos diários aumenta, as internações nos hospitais aumentam. A covid é atualmente a quinta causa de mortes e a marca de 1.000 mortes por dia foi alcançada”, afirmou o diretor regional da OMS para a Europa, Hans Kluge.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui