Parecer da Secretaria Estadual do Meio Ambiente mantém elefantas em Ribeirão Preto

Documento confirma que deslocamento a santuário no Mato Grosso é arriscado e prejudicial à saúde das elefantas

0

A Secretaria de Infraestrutura e Meio Ambiente do Estado de São Paulo emitiu parecer favorável para a permanência das elefantas Bambi e Mayson no Bosque Zoo Fábio Barreto, em Ribeirão Preto. 


De acordo com o documento, enviado para a Secretaria Municipal do Meio Ambiente, foram considerados a idade avançada dos animais, a condição de saúde e o estresse do transporte de longa distância para uma eventual transferência ao santuário dos elefantes, localizado no Estado do Mato Grosso. No parecer, a Secretaria do Estado ressalta que “não há garantias de que tal santuário conte efetivamente com equipe técnica semelhante a existente no zoológico, tampouco que os animais lá destinados teriam desfecho feliz, considerando que, de quatro elefantes recebidos no local, dois morreram”.


A possibilidade de remoção das elefantas de Ribeirão Preto para o santuário foi levantada por ativistas nas redes sociais. Porém, para emitir o parecer, um especialista ambiental do Departamento de Fauna da Secretaria de Infraestrutura e Meio Ambiente do Estado de São Paulo visitou o local, examinou os animais citados e concluiu que, para a proteção deles, devem continuar onde estão. 


No Bosque Fábio Barreto, as elefantas Bambi e Mayson recebem todos os cuidados específicos para que vivam da melhor forma possível diante da saúde debilitada em que se encontram, com alimentação balanceada, hidratação, enriquecimento ambiental e acompanhamento veterinário.


“A Mayson chegou em 2011 doada pelo Circo Kronner e hoje tem idade aproximada de 48 anos. Ela é muito acostumada ao convívio humano e necessita da companhia constante de toda a equipe do zoológico. Já Bambi tem aproximadamente 58 anos e chegou em Ribeirão Preto em 2014, transferida do zoológico de Leme e tem problemas de saúde”, informou Alexandre Gouvêa, diretor do bosque.  


Para melhorar as condições das elefantas e promover um convívio mais saudável entre elas, os profissionais do bosque seguem recomendações da Associação de Aquários e Zoológicos do Brasil e da Wild Welfare (associação internacional de proteção aos animais). Entre as orientações está a adaptação das duas elefantas para conviverem no mesmo recinto. 


“O primeiro passo foi a colocação de barreira em vigas de aço perfil H, unidos por cabos de aço na fachada do recinto para evitar acidentes com o fosso seco. Depois, foi feito o aterramento do fosso seco para profundidade segura e, por fim, a instalação de uma cerca divisória, em mourões de eucalipto com arame e extremidades móveis, no centro do recinto, para permitir que os animais fiquem o dia todo fora dos cambiamentos e possam ter acesso ao piso de terra, ao sol, exercício e às atividades de enriquecimento ambiental sem necessidade de revezamento” explicou Alexandre.


O local onde Mayson e Bambi convivem tem área total de 1.500m², tanque de 200m² com profundidade de dois metros.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui