“A coragem mais útil e digna de confiança é a que nasce da justa avaliação do perigo que se enfrenta; um homem inteiramente desprovido de medo é um companheiro muito mais perigoso que um covarde”

Aqui nos encontramos, mais uma vez, caro leitor, para seguirmos viagem por este planeta de dimensões infinitas chamado Literatura. Deixemos a imponência e o luxo o castelo de Elsinor, na gélida Dinamarca e partamos rumo á costa leste dos Estados Unidos, mais precisamente para o porto de Nuntucket. Em mais um daqueles aleatórios saltos temporais, estamos no ano de 1851. Nossa playlist de hoje oferece duas opções para a comodidade de nossos viajantes: o tema do filme “1492: A conquista do paraíso”, lançado em 1992, de autoria do genial Vangelis ou, para os roqueiros de plantão, “Moby Dick” trilha do segundo disco da banda Led Zeppelin, notória por seu solo de bateria.

​Vamos embarcar na companhia de nosso narrador Ismael, nome de origem bíblica (primogênito de Abraão), nosso guia nessa pitoresca viagem. E quando digo embarcar, refiro-me literalmente à viagem de hoje, pois iremos singrar os mares a bordo do navio Pequod, um navio baleeiro. Ele mesmo nos confessa: “sempre que sinto na boca uma amargura crescente, sempre que há em minha alma um novembro úmido e chuvoso… então calculo que é tempo de fazer-me ao mar o mais depressa possível”.

​Você já deve ter entendido que se trata de uma caça às baleias. Exato, meu amigo. Essa é uma atividade muito comum e lucrativa para a época devido à extração dos ossos para a confecção de peças das mais variadas e da gordura que mantinha acesa as chamas das lamparinas. Tudo começa com a benção do padre e um sermão sobre a leitura de um trecho do livro de Jonas, famosa passagem conhecida por Jonas e a baleia. Você deve ter pensado agora: “Quanta coincidência!” Ah, caro leitor, não banque o inocente. Na literatura não existem coincidências. Jamais. Tudo é pretexto para o texto. Cabe lembrar que a baleia é simbologia do divino em diversas culturas. Mas, deixemos de digressões e, retomemos nosso rumo. 

​Este livro de Herman Melville foi inspirado na saga do navio baleeiro Essex, que culminou com seu naufrágio em 1820, vitimado pelos ataques furiosos de uma baleia. Tragédia muito bem adaptada para as telas no filme “No coração do mar” (2015) pelo diretor Ron Howard. Peço licença em nossa história para uma importante correção: não se trava de uma baleia, mas sim de um cachalote. Vai que um dos meus seletos leitores tem formação em biologia e me denuncia por uma gafe dessa natureza. É isso mesmo que você pensou: Moby Dick, chamada ou conhecida universalmente por baleia branca, eternizada (como o primeiro monstro marinho da literatura) dessa forma em desenhos de época como Pica-pau, Tom e Jerry e, até mesmo, um desenho só seu nas décadas de 60 pelos magos Hanna Barbera é, na realidade, um cachalote (Physeter macrocephalus), um magnífico espécime, obra-prima da criação, com seus aproximados vinte metros e quarenta e uma toneladas.

Caça à baleia. Andy Tomas

​Feitas as devidas correções, é chegada a hora de conhecermos o capitão do navio: Ahab. Um homem envolto em uma aura de mistério, cujo rosto traz as marcas da amargura e do sofrimento. Uma figura singular que carrega o orgulho ferido: na perna de pau com osso de baleia e, mais profundamente, um vazio na alma que busca irremediavelmente compensar nessa viagem, para o qual, porém, o leitor descobrirá que não há cura. E se você, desavisado, deduziu que se trata apenas de um livro em que os homens caçam as baleias e pronto. Ah, caro leitor, temos muito que conversar.

​Ahab traz no nome (mais um bíblico empregado aqui) sua origem no livro de Reis: foi o sétimo rei do Reino de Israel. Sua ambição, acompanhada por uma série de atrocidades e da adoração a ídolos, trouxe prosperidade material, contudo foi como erva daninha ao povo de Israel, desagradando a Javé. Com o passar do romance, sua tripulação vai descobrir suas verdadeiras intenções: não se trata de caçar as baleias, mas uma só baleia. O incauto capitão torna seus homens reféns de uma jornada que conduz à perdição. Enlouquecido pelo desejo de vingança contra a criatura que levou parte da sua perna e, com ela, todo o orgulho que possuía, ele delira (não é mais um sonho) com a retomada triunfal de sua superioridade contra a natureza.

​Acompanha-o nesta viagem o pragmático e experiente imediato Starbuck, um homem que vê com grandes – mas discretas ressalvas – o plano pessoal de seu superior, intervindo sempre da forma mais lúcida possível, entretanto jamais declinando de sua fidelidade ao capitão, como a relação entre Dom Quixote e Sancho Pança vista por nós anteriormente. O que diferencia o imediato de seu capitão é a prudência, como podemos observar em sua frase que abre o nosso texto, que lhe traz o equilíbrio, conceito inexistente em Ahab. Segundo Aristóteles “a virtude ocupa a média entre duas extremidades lastimáveis, uma por excesso, a outra por falta”. É justamente o excesso que vai levar Ahab à ruina e, como um buraco negro, vai sugar todos e tudo à sua volta. 

​Bem diz um certo provérbio (cuja origem atribuem à sabedoria japonesa) em uma de suas possíveis traduções: “Antes de sair em busca de vingança, cave duas covas”. A obsessão e o desejo de vingança incomensuráveis do capitão cegam-no permanentemente, fazendo-o trilhar um caminho, que bem sabe o próprio leitor, não tem volta. Estão em jogo dois mundos: o externo, representado pela natureza que o homem ousadamente desafia do alto de sua soberba, um mundo belo, representado na superfície do mar (de forma metafórica), mas selvagem e rude em suas profundezas, que carrega mistérios ainda insondáveis aos olhos humanos e oferece o perigo a quem deseja subjugá-lo (a superfície clara oculta as sombras da profundidade); e o interno, representado pela falta de equilíbrio do homem, cuja ambição desmedida o conduz à perda de tudo, inclusive seu bem mais precioso: a vida.

​Ahab não mede esforços e sacrifícios para encontrar a baleia para poder provar (a si próprio ou a Deus) a superioridade humana, o poder do predador que se encontra no topo da cadeia, um predador cuja imprudência transformará em presa fácil. Entre tantas possibilidades interpretativas que esse clássico nos oferece (filosófica, religiosa, psicológica) e não são poucas, como leitor podemos observar a tragédia anunciada da luta pela vida em um mundo hostil como consequência fatal do individuo que se considera absoluto.

​Ahab busca sua glória sem considerar jamais os riscos. Como diz o poeta Fernando Pessoa em seu poema “Mar português”: “Quem quer passar além do Bojador / Tem que passar além da dor, Deus ao mar o perigo e o abismo deu / Mas nele é que espelhou o céu”. Há quem diga que a “baleia branca” é o próprio castigo divino, outros que representa a vingança e superioridade da natureza tão maltratada. Eu, caro leitor, em minha humilde interpretação, penso, como os realistas, numa relação de causa e efeito, na qual o homem sempre traça o seu próprio caminho. Somos vítimas de nossas escolhas, mas como diz o sábio Raul Seixas na canção “Por quem os sinos dobram”: “É sempre mais fácil achar que a culpa é do outro”. 

​    

Coluna | Literatura: apenas ficção? Só que não. Marcio Fabiano Monteiro nasceu em Ribeirão Pires-SP, em1974 e mora em Ribeirão Preto desde 2004. É casado e pai de quatro filhos. Formado em Letras pela Universidade de Sorocaba, especialista em Gramática pelas Faculdades Integradas Oswaldo Cruz. Professor há 26 anos, leciona Língua Portuguesa nas redes de ensino municipal e particular da cidade. Escreve poemas desde 2006 e dedica-se ao cordel desde 2017. Membro da UEI (União dos Escritores Independentes), da Casa do Poeta e do Escritor de Ribeirão Preto e da Academia Internacional de Literatura e Artes Poetas Além do Tempo.

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui