A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) realiza nesta quinta-feira (4) o leilão do 5G, o novo padrão de conectividade móvel que permitirá uma conexão de internet de alta velocidade no país, que impulsionará o desenvolvimento de tecnologias como internet das coisas (IoT) e veículos autônomos, por exemplo.

O processo acontecerá no auditório da Anatel, em Brasília, e pode se estender até a sexta-feira (5), a depender do ritmo com que sejam analisadas as propostas entregues por todas as 15 empresas que se habilitaram para as diferentes faixas de frequência oferecidas.

O leilão prevê a venda das frequências de 700 MHz, 2,3 GHz, 3,5 GHz e 26 GHz, em blocos nacionais e regionais.

O leilão do 5G vem com a expectativa de abrir caminho para a entrada de novas empresas no mercado de telefonia móvel do país, avaliam especialistas em telecomunicações.

Existe a expectativa de que provedores regionais (ou até mesmo novas empresas no ramo) se habilitem a prestar serviços de telefonia e dados móveis caso arrematem algumas das faixas que serão ofertadas. 

Este será o maior leilão já realizado pela Anatel, podendo movimentar R$ 49,7 bilhões. Desse total, R$ 10,6 bilhões são outorgas pelas faixas e R$ 39,1 bilhões compromissos de investimentos na implementação das redes. 

O governo calcula que o 5G vai gerar US$ 1,2 trilhão em investimentos nos próximos 20 anos. A nova tecnologia promete velocidades até 20 vezes superiores às atuais, além de um tempo de resposta (latência) baixíssimo entre os dispositivos conectados. Isso vai permitir o desenvolvimento de novas aplicações, desde carros sem motorista até inovações na indústria, mineração e agricultura, entre outros setores. 

“O leilão será crucial para definir o futuro do setor e nos dizer se este mercado terá novos entrantes ou se ficará circunscrito aos mesmos grupos”

As obrigações

Ainda segundo o edital, os compradores de cada uma das quatro faixas terão que cumprir contrapartidas definidas pelo Ministério das Comunicações. As principais exigências são:

  • • Disponibilização do 5G em todas as capitais do país até julho de 2022;
  • • Construção da rede privativa de comunicação para a administração pública federal;
  • • Garantia de internet 4G nas rodovias brasileiras;
  • • Instalação da rede de fibra óptica, via fluvial, na região amazônica;
  • • Financiamento dos custos da migração da TV aberta via satélite da banda C para a banda Ku (novas antenas, receptores e a instalação desses equipamentos para famílias de baixa renda);
  • • Garantia de internet móvel de qualidade nas escolas públicas de educação básica.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui