A A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid deve votar nos próximos dias um requerimento para determinar o bloqueio de recursos da Vitamedic, uma das fabricantes de ivermectina no País.

Jailton Batista, da Vitamedic, admitiu na CPI da Pandemia, nesta quarta-feira (11), que a empresa bancou um manifesto em jornais brasileiros da associação Médicos pela Vida, que defende o tratamento precoce da Covid-19. A entidade foi recebida em eventos no Palácio do Planalto que promoviam os remédios sem eficácia.

O diretor-executivo da farmacêutica, presta depoimento à CPI nesta quarta-feira, 11, detalhando o aumento de vendas da substância, incluída no chamado “kit covid”, a combinação de medicamentos sem eficácia contra a covid-19.

Batista afirmou que as vendas do remédio pela empresa aumentaram mais de 600% durante a pandemia, 29 vezes acima dos resultados anteriores à crise sanitária provocada pelo novo coronavírus. 

Jailton Batista disse, que a farmacêutica saltou o faturamento de 200 milhões para 540 milhões entre 2019 e 2020. O diretor da Vitamedic respondeu a Renan Calheiros (PMDB-AL) que a Ivermectina é um antiparasitário indicado para sarna e piolho.

Em meio ao aumento da venda de Ivermectina entre 2020 e o início de 2021, a farmacêutica Vitamedic, empresa investigada pela CPI da COVID, expandiu de forma irregular a fábrica de medicamentos em Goiás.

A Anvisa chegou a fechar o espaço em abril deste ano depois de constatar que a construção tinha sido feita de improviso, sem seguir as normas da Vigilância Sanitária.

Os senadores tentam relacionar o aumento das instalações com o lucro explosivo da farmacêutica.

Deixe uma resposta