CPI da Covid: Ernesto Araújo nega ataques contra a China e é fortemente confrontado

O responsável por manter relações com outros países para compra de insumos necessários no combate à Covid-19, o ex-ministro das Relações Exteriores Ernesto Araújo entrou em embate na CPI da Covid alegando que não houve ataques do governo contra a China.

“Não entendo nenhuma declaração que eu tenha feito como antichinesa. Não houve nenhuma que se possa qualificar como antichinesa. Não houve impacto”, disse Ernesto Araújo.

Ele afirmou que o Itamaraty acompanhou os trâmites burocráticos dos insumos para as vacinas, mas não foi identificada nenhuma correlação com o atraso dos insumos com declarações do governo brasileiro.

“Dizer que o senhor nunca se indispôs com a China, o senhor está faltando com a verdade. Falou em ‘comunavírus’. Até bateu boca com o embaixador chinês”, lembrou o presidente da CPI, senador Omar Aziz.

Integrante da chamada ala ideológica do governo Jair Bolsonaro, ele fez críticas à China, uma das maiores fornecedoras do mundo de equipamentos de saúde.

Além disso, também agiu, para garantir o fornecimento de cloroquina, remédio sem eficácia comprovada recomendado por Bolsonaro e seus aliados para o tratamento da Covid.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui