Onyx e novo ministro da Educação estão com Covid-19

Ambos apresentaram contraprovas positivas

0

BRASÍLIA (Reuters) – O novo ministro da Educação, Milton Ribeiro, informou na tarde desta segunda-feira em uma rede social que está com Covid-19 horas após outro colega de Esplanada, o titular da Cidadania, Onyx Lorenzoni, também ter dito que estava com a doença causada pelo novo coronavírus. 

Milton Ribeiro, que assumiu o cargo na quinta-feira passada, é o quarto ministro do governo Bolsonaro a ser contaminado pela doença. O próprio presidente Jair Bolsonaro está há 10 dias com a Covid-19 e se mantém no Palácio da Alvorada. 

“Acabo de receber agora pela manhã resultado positivo para Covid. Já estou medicado e despacharei remotamente”, informou Ribeiro, no Twitter. 

Ribeiro é o quarto ministro da Educação em um ano e meio do governo Bolsonaro e assumiu a pasta diante de uma série de desafios para a área, como um plano de retomada das aulas em meio à pandemia do novo coronavírus e a prorrogação de recursos do Fundeb. 

Mais cedo, em sua conta no Twitter, Onyx Lorenzoni havia dito que começou a sentir sintomas na quinta-feira, fez o exame na sexta e hoje teve o resultado positivo. Como o presidente, Onyx anunciou ainda que está tomando um coquetel de medicamentos que inclui azitromicina, ivermectina e cloroquina e alega estar sentindo “efeitos positivos”. 

Nenhum dos medicamentos têm efeitos comprovados contra a Covid. Pesquisas têm mostrado, por outro lado, que a cloroquina, especialmente, pode ter efeitos adversos, como arritmia cardíaca. No entanto, virou uma bandeira do governo Bolsonaro. 

Em março, logo depois do retorno de viagem presidencial a Miami, os ministros das Minas e Energia, Bento Albuquerque, e do Gabinete de Segurança Institucional, Augusto Heleno, foram diagnosticados com Covid-19. Há cerca de um mês, o porta-voz da Presidência, Otávio do Rêgo Barros, também teve a doença diagnosticada. 

Nas últimas semanas, o Palácio do Planalto registra um outro surto de Covid-19 entre os funcionários. De acordo com dados mais recentes da Secretaria-Geral da Presidência, 36 servidores estão afastados com a doença. Desde o início da epidemia, 128 funcionários tiveram resultado positivo. 

O Planalto, no entanto, mantém os servidores em trabalho presencial, a não ser os que estão no grupo de risco, e mesmo aqueles que tiveram contato com pessoas contaminadas, a menos que tenham sintomas ou tenham resultado positivo. 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui