Uma pesquisa do Núcleo de Estudos em Farmacoterapia (NEF) da Universidade Federal de Alagoas (Ufal), divulgada nesta sexta-feira (26), relaciona a escabiose (sarna humana) ao uso indiscriminado de ivermectina. Segundo os pesquisadores, esse estudo pode ajudar na investigação do surto registrado em Pernambuco.

A Ivermectina é um antiparasitário que foi incluído no “Kit Covid” sem comprovação científica da sua eficácia contra o vírus.

Espalhados em Olinda, Jaboatão, São Lourenço, Camaragibe, Paulista e Recife, os pacientes se queixam de uma intensa coceira intensa que evolui para feridas e escoriações na pele. Esses ferimentos podem ser penetrados por bactérias e desencadear infecções secundárias, podendo ser leves, moderadas ou muito graves. 

E não é somente no Nordeste que os casos estão tomando proporções preocupantes, no litoral de São Paulo também está tendo vários relatos da escabiose, dos quais um bebê de 2 meses chegou a ser internado devido à gravidade da contaminação. 

Até esta quarta-feira (24), foram notificados ao menos 413 casos em três cidades de Pernambuco. As lesões na pele provocam coceira. O surto ainda não tem causa definida e as autoridades de saúde pernambucanas seguem investigando.

Além do aumento da dosagem e uso repetitivo da Ivermectina, condições climáticas e socioeconômicas também podem ter contribuído para a evolução do parasita. Por se tratar de uma condição extremamente contagiosa, é essencial ficar atento aos hábitos de higiene, as pessoas que moram no mesmo domicílio ou as pessoas com quem se convive.

Os pesquisadores do Instituto de Ciências Farmacêuticas (ICF), Alfredo Oliveira-Filho e Sabrina Neves, e os estudantes Lucas Bezerra e Natália Alves, se basearam na observação de casos de resistência à ivermectina já relatados, surtos isolados e os dados de aumento de consumo do medicamento por causa da pandemia de Covid-19. O artigo foi publicado no mês de agosto.

São necessários alguns testes e o descarte de outras hipóteses sobre o que está acontecendo em Pernambuco para então confirmar as questões levantadas no artigo.

“A hipótese do artigo é que é possível que o Sarcoptes scabiei, ácaro causador da escabiose pode ter desenvolvido resistência à ivermectina. Se essa hipótese se confirma, temos um problema enorme, pois a doença poderia atingir qualquer população, e o que é pior, com dificuldade de tratamento”, avaliou Sabrina. 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui