Imagem Ilustrativa

*Por Gabriel Carabolante, com supervisão do editor

Muitas pessoas acham que no inverno os raios solares entram em férias. Nada disso! Mesmo em estações com temperaturas mais frias, como outono e inverno, os cuidados com a nossa saúde e a prevenção do câncer de pele não podem ser deixados de lado. Nesta época do ano, a incidência de raios ultravioletas (UVA e UVB) no Brasil é menor se comparada ao verão, mas a exposição sem o protetor solar continua prejudicial. Segundo dados do INCA (Instituto Nacional do Câncer), o câncer de pele não melanoma é o tipo mais frequente no Brasil correspondendo a 30% de todos os tumores malignos registrados. Sua frequência aumenta em pessoas com mais de 40 anos.

Aqui no país, são esperados mais de 176 mil novos casos; 83 mil em homens e 93 mil em mulheres de 2020 a 2022. Somando com a neoplasia do tipo melanoma, a mais agressiva, o número total dá um salto para 185 mil casos. A oncologista Cristiane Mendes, do Instituto Oncológico de Ribeirão Preto, afirma que é preciso ter cuidado com a exposição solar e evitar o período entre 10h e 16h sem a proteção. “É indispensável o uso de protetor solar, no mínimo fator 30, mesmo se estiver dentro de ambientes fechados ou na sombra. É importante ressaltar que ao longo do dia é preciso fazer a reaplicação do mesmo, sobretudo após contato da pele com a água ou depois de atividade física”, alerta. O aparecimento de novas “pintas”, mudanças nas lesões já existentes, o aumento de tamanho, variação de cor, ou até mesmo, sangramento, podem ser um sinal da doença. Sem contar que lesões na pele que parecem machucados que não cicatrizam depois de 15 dias merecem investigação.

Além desses alertas, a doutora lembra, ainda, que pessoas com pele e olhos claros, cabelos ruivos ou loiros, albinos, ou quem tem histórico familiar estão mais passíveis ao aparecimento de neoplasia de pele, que é um tipo de câncer que se identificado na fase inicial possui excelente resposta aos tratamentos existentes e altos índices de cura. Com a umidade do ar e temperaturas baixas, a pele transpira menos e está sujeita ao ressecamento. Além disso, outro fator que contribui para este estado é o hábito de tomar banhos quentes.

Cecília Mattos, nutricionista do InORP Oncoclínicas, reforça que para manter a pele e a saúde em dia é necessário reforçar os cuidados com a alimentação. “Durante esta época reduzimos o consumo de líquidos e isso é um erro que atrapalha na conservação da pele, na hidratação e também em nossa saúde de modo geral. Para as pessoas que têm dificuldade de tomar água, o chá, de preferência o claro, pode ser o substituto e frutas também.” De acordo com a nutricionista, outro fator indispensável é a alimentação e o equilíbrio entre legumes, verduras, frutas e hortaliças, e os ricos em vitamina C como laranja, limão, acerola, tangerina e morango.

“De modo geral é importante ter uma dieta balanceada para mantar a saúde da pele. A vitamina C é uma importante aliada para prevenir o envelhecimento e também auxilia no sistema imunológico Além disso, manter uma alimentação saudável é um dos principais fatores de prevenção para o aparecimento de qualquer tipo de câncer e de várias outras doenças”, afirma Cecília.

O inverno no hemisfério sul começou nesta segunda-feira (21) e vai até o dia 22 de setembro, uma quarta-feira.

Deixe uma resposta